Portal NetEscola

Atividade 3 – Industrialização e as transformações no trabalho - 17/02/2021

 

 

Industrialização e seus efeitos

     O processo de industrialização é um dos principais fatores de transformação do espaço. Por isso, a compreensão de seus aspectos, tipos e características é de grande relevância.

          Um dos principais agentes de produção e transformação do espaço geográfico na sociedade atual, sem dúvidas, é a atividade industrial, pois ela provoca efeitos sobre os movimentos populacionais e o crescimento das cidades; interfere nos tipos de produção no meio urbano e também no meio rural, entre outros.

      Entende-se por industrialização o processo de transformação de matérias-primas em mercadorias ou bens de produção (esses últimos podendo ser novamente transformados) por meio do trabalho, do emprego de equipamentos e do investimento de capital. Obviamente, o crescimento da atividade industrial aumentou a demanda por matérias-primas e mais recursos naturais, por isso o ser humano passou a explorar ainda mais a natureza e, sobre ela e o espaço em geral, realizar cada vez mais intervenções e impactos.

         Na visão de muitos autores no campo das Ciências Humanas, o processo de industrialização é sinônimo da era da modernidade, ou seja, a industrialização das sociedades marca, assim, a inserção delas no mundo moderno.

 

Evolução da atividade industrial – breve histórico

       Ao longo do tempo, as sociedades pré-industriais e industriais passaram por sucessivos estágios de transformação, o que gerou diretas consequências sobre os tipos de produção de mercadorias e a forma de inserção destas no mercado.

 

Fase pré-industrial (artesanal): a fase da atividade artesanal – isto é, quando essa prática era o modo de produção predominante – estendeu-se desde a Antiguidade até o século XVII. A produção era individual e centrada na figura do artesão, que atuava desde o início do processo produtivo até, por vezes, a comercialização de seus produtos.

 

Fase manufatureira: as primeiras indústrias pautavam-se na manufatura, ou seja, no trabalho manual. Essa fase estendeu-se durante o século XVII até meados do século XVIII, quando se iniciou, na Inglaterra, o processo da Revolução Industrial. Utilizava-se o trabalho manual e máquinas simples com a inauguração do processo de divisão de tarefas e a formação das classes trabalhadoras (os assalariados) e as patronais (os patrões).

Fase maquinofatureira ou industrial: podemos dizer que a fase industrial propriamente dita ocorreu após o início da I Revolução Industrial com a invenção de maquinários capazes de intensificar a produção e empregar um maior número de trabalhadores, além de produzirem novos e variados tipos de mercadorias. Com o tempo, essa atividade aperfeiçoou-se com a Segunda e Terceira Revoluções Industriais.

Charles Chaplin no filme “Tempos modernos”. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/tempos-modernos-filme-chaplin/ Acesso em: 27 de out de 2020

Fase pós-industrial: embora não haja consenso sobre esse termo, a fase pós-industrial seria aquela em que as indústrias, embora ainda muito importantes, deixam de desempenhar um papel central no cerne das sociedades em uma etapa recente. A principal característica, nesse caso, é o deslocamento do emprego para o setor terciário (comércio e serviços), em um fenômeno que os economistas chamam de terceirização da economia.

É válido ressaltar que as etapas acima mencionadas não se sucederam de forma linear em todas as sociedades e nem de modo igualitário. Alguns países ou regiões do mundo somente conheceram o processo de industrialização em sua fase mais avançada ou moderna; outras regiões, em alguns países subdesenvolvidos, sequer podem ser consideradas como sociedades industriais.

 

Tipos de indústrias

       Podemos dizer que existem três principais tipos de indústrias, classificadas com base nos tipos de mercadorias, havendo, porém, inúmeras outras formas de divisão da atividade industrial. Com base nesse critério, os tipos de indústrias são: de base, de bens de consumo duráveis e de bens de consumo não duráveis.

 

Indústrias de base: são aqueles tipos de indústrias que fabricam os chamados bens de produção, isto é, aqueles produtos que não são consumidos pelas pessoas, mas empregados por outras indústrias para a fabricação de mercadorias. Podem ser máquinas industriais ou matérias-primas transformadas, tais como o alumínio, o ferro, entre outras. Inclui-se aí, portanto, as chamadas “indústrias extrativas”, ou seja, aquelas que atuam no processo de refinamento ou transformação de matérias-primas recém-extraídas, tais como o petróleo e todos os minerais.

 

Indústrias de bens duráveis: são as indústrias que atuam na fabricação de produtos não perecíveis, isto é, que possuem uma grande vida útil, como os automóveis, os eletroeletrônicos, entre outros.

 

Indústrias de bens não duráveis: são as que produzem mercadorias perecíveis, ou seja, que são rapidamente consumidas, a exemplo dos alimentos, do vestuário e outros.

Fatores locacionais

        Os fatores locacionais referem-se aos elementos socioeconômicos que orientam a distribuição de uma determinada indústria sobre o espaço geográfico. Dentre os inúmeros fatores, podemos destacar:

– Presença imediata de matérias-primas e recursos naturais;

– Disponibilidade de mão de obra abundante e barata;

– Incentivos fiscais oferecidos pelo governo local (isenção de impostos, etc.);

– Rede de transporte prática e eficiente que permite o fácil escoamento da produção;

– Mercado consumidor amplo e acessível;

– Fontes de energia que garantam a produção;

– Presença de indústrias complementares ou de apoio;

– Em alguns tipos de indústria, é importante a proximidade com centros de pesquisas, tais como as universidades.

Em alguns locais, formam-se os complexos industriais com grande infraestrutura

      Todos esses elementos (ou pelo menos a maioria deles) são avaliados por uma indústria quando ela escolhe o local para a sua instalação. Muitos governos municipais, estaduais e até federais atuam no sentido de garantir essas condições (sobretudo os incentivos fiscais) para que as fábricas instalem-se em seus territórios e, assim, gerem mais empregos diretos e indiretos, dinamizando mais a economia.

      Nesse contexto, é válido ressaltar a importância crescente das empresas multinacionais ou globais, que muitas vezes se deslocam de uma área para outra a fim de obter tais benefícios. Muitas delas migram para países subdesenvolvidos, onde a mão de obra é mais barata, ou seja, com menor salários aos trabalhadores.     Além disso, muitas delas fragmentam a produção em muitas regiões, a exemplo das indústrias automobilísticas, em que as várias partes de um carro são produzidas em diferentes lugares do mundo para a obtenção de maiores vantagens e a máxima geração de lucro.

Os efeitos da industrialização sobre o espaço geográfico

      Como já mencionamos, a indústria é um dos principais agentes de transformação do espaço. Quando uma área antes não industrializada recebe um relativo número de fábricas, a tendência é receber mais migrantes para a sua área, acelerando a sua urbanização.

      Com mais pessoas residindo em um mesmo local, gera-se mais procura pela atividade comercial e também no setor de serviços, que se expandem e produzem mais empregos. Entre outros aspectos positivos, menciona-se a maior arrecadação por meio de impostos (embora, quase sempre, as grandes empresas não contribuam tanto com esse aspecto).

       Dentre os efeitos negativos da industrialização, podemos citar os impactos gerados sobre o meio ambiente, haja vista que, a depender do tipo de fábrica e das infraestruturas para ela oferecidas, são gerados mais poluentes na atmosfera e também nos solos e cursos d’água.

A atividade industrial é um importante elemento geográfico

     O poder de intervenção da indústria nas sociedades é tão elevado que até as suas modalidades de produção, ou seja, a forma predominante com que suas linhas de produção atuam, interferem na organização do espaço, gerando mais ou menos produtos e empregos, entre outros elementos. Na era do fordismo, a produção era em massa, com mais empregos situados no setor secundário (indústrias); o que se transformou radicalmente na era do toyotismo (empregos majoritariamente situados no comércio).

Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/industrializacao-seus-efeitos.htm Acesso em: 27 de out de 2020.

Resultado de imagem para responda

ATIVIDADES

  1. Assinale a alternativa que NÃO se relaciona com o processo de industrialização sobre o espaço geográfico.

a) (   ) Aumento do consumo de energia.

b) (   ) Ampliação das trocas comerciais.

c) (   ) Intensificação do processo de urbanização.

d) (   ) Aumento das ofertas de emprego no setor primário.

  1. Sobre o processo de industrialização, assinale o correto:

a) (  ) Mesmo acontecendo em períodos históricos diferentes, a industrialização ocorreu da mesma forma em todos os países existentes.

b) (  ) A industrialização do tipo clássica corroborou para profundas transformações no espaço geográfico europeu dos séculos XVIII e XIX.

c) ( ) A industrialização nos países periféricos ocorreu sem a manifestação do capital estrangeiro, que não enxerga nesses países a possibilidade de investimentos.

d) (  ) A industrialização do tipo planificada foi algo recorrente nos países subdesenvolvidos.

  1. De acordo com o texto, quais processos são entendidos como “industrialização”?

 

  1. Descreva os 3 tipos de indústrias existentes com base nos tipos de mercadorias nelas produzidas.

 

  1. Quais são os principais fatores que determinam a localização das indústrias?

 

  1. Explique a ocorrência dos principais reflexos da industrialização no espaço geográfico.