Portal NetEscola

Revolução Industrial e seus impactos na produção e circulação de povos, produtos e culturas; Industrialização e meio ambiente – Atividades 3 - 17/02/2021

O que foi a Revolução Industrial? - Resumo de tudo sobre a Revolução  Industrial - Toda Matéria

        Você já reparou como as máquinas estão presentes na nossa vida? O livro didático por exemplo foi produzido por máquinas gigantescas da gráfica, assim como sua caneta, seu caderno e tudo mais foram feitos em uma indústria. As máquinas são úteis porque ajudam a poupar tempo de trabalho. A humanidade inventa máquinas há muito tempo, moinhos de vento, rodas   d’agua, carrinhos   de   mão, arados, etc.   São exemplos de máquinas antigas. Porém essas máquinas ainda dependiam muito   do   trabalho humano.   Esse   problema   só   foi solucionado quando o homem inventou a máquina a vapor. A partir daí as máquinas puderam ser utilizadas sem o esforço de um homem ou animal. O aperfeiçoamento da máquina a vapor deu   início   a   uma   das   mais   espetaculares   transformações   da história, a Revolução Industrial.

O primeiro país a instalar fábricas com máquinas a vapor foi a Inglaterra   no   final   do   século   XVIII.   O   primeiro   resultado   da Revolução Industrial foi a produção de mercadorias e os lucros da burguesia em ritmo acelerado, a todo o vapor. Mas não só isso, mas   os   países, as   sociedades   e   a   forma   de   viver   e trabalhar das pessoas se alterou de forma vertiginosa.

Disponivel em: https://www.pinterest.pt/pin/533043305881526895/ Acesso 03 de mar de 2021

            Graças a Revolução Industrial, o Capitalismo triunfou em todo o mundo.  Mas, por que   a   Inglaterra   foi   pioneira   na   revolução Industrial? O   que   ela   tinha   que   outros   países   só   teriam   um século depois? Em primeiro lugar uma burguesia muito rica, que durante   séculos   ampliou   seus   negócios   através   de   muita ousadia   e   empreendedorismo, como   a   agricultura, o   tráfico negreiro, as   guerras   e   até   a   pirataria.   Essa   fase   de enriquecimento   da   burguesia   é   chamada   a   Acumulação Primitiva   de   Capital.  Com   o   dinheiro acumulado   a   burguesia investiu em construções de fábricas, as instalações da indústria.

            Foi   a   burguesia   que   financiou   os   novos   inventos   que possibilitaram a industrialização. Foram nas cidades que as fábricas foram instaladas, porque era ali que se encontrava um bom mercado consumidor além de mão de obra disponível. Além disso, nas cidades é que tinham transporte e comércio de matéria-prima. A mão de obra para as fábricas também veio do campo. Os grandes proprietários de terras passaram a investir   em   uma grande   produção   agrária   ou   a   alugar   seus   campos   para empresários   do   ramo   agrícola   ou   criadores   de ovelhas.   Isso promoveu os chamados Cercamentos (cercas em suas terras) e a expulsão dos camponeses.  Expulsos   das   terras   por   causa   dos   cercamentos, os ex-camponeses iam tentar   a sorte na   cidade. Lá, aprendiam as delícias da liberdade de escolha: podiam optar entre vender sua força   de   trabalho (capacidade   de   trabalho) por   um   salário miserável   numa   fábrica   fedorenta   qualquer   ou   ficar desempregado   e   morrer   de   fome.   Surgia   assim   uma   nova classe   social, a   dos   trabalhadores   que   traçavam   horas   de trabalho pelo salário pago pelo capitalista o dono da fábrica: o proletariado.

            Outro fator importante para a revolução industrial na Inglaterra foi   o   crescimento   demográfico, a   melhoria   nas   condições   de alimentação   e   a   entrada   precoce   no   mercado   de   trabalho promoveu a formação de famílias mais cedo. Além desse, as grandes jazidas de ferro e carvão do país garantiam a matéria prima   necessária   para   as   indústrias.   O   linho   e   o   algodão necessários   para   as   indústrias   têxteis   vinham   das   colônias, garantidas   pela   excelente   marinha   inglesa.   As   condições   da política   inglesa   também   foram   favoráveis, pois   não   havia absolutismo, restrições aos burgueses.  A vitória dos burgueses também   permitiu   que   as   ideias iluministas   de valorização da ciência, das liberdades individuais e do liberalismo econômico se difundissem amplamente.

Disponível em: https://profclaugeohist.blogspot.com/2013/05/atividades-revolucao-industrial.html Acesso em 02 de abr. de 2020

1. Resolva a cruzadinha:

Horizontais:

1. Classe social que investiu seu dinheiro na indústria.

2. O que causou a expulsou dos camponeses das terras.

3. Um dos primeiros resultados da revolução industrial além das mercadorias foi o …

4. As instalações das indústrias.

5. País pioneiro da revolução Industrial.

6. Local onde foram construídas as fábricas

7. Classe operária que vendia sua força de trabalho nas indústrias.

8. Um dos negócios que enriqueceram a burguesia inglesa.

9. Classe social dos donos das indústrias.

10. Local de onde vinham as matérias primas para as indústrias têxteis.

Verticais:

1. Fase de enriquecimento da burguesia que gerou capital.

2. Um dos motivos das indústrias serem nas cidades.

3. Tornaram-se mão de obra das fabricas devido aos cercamentos.

4. Uma das máquinas antigas da humanidade.

5. Os minerais que garantiram a Inglaterra a matéria prima necessária para as indústrias.

6. Máquina que deu início a Revolução Industrial.

7. Uma das principais ideias iluministas que favoreceram a revolução Industrial.

Consequências da Revolução Industrial

     De um modo geral, a Revolução Industrial transformou não só o setor econômico e industrial, como também as relações sociais, as relações entre o homem e a natureza, provocando alterações no modo de vida das pessoas, nos padrões de consumo e no meio ambiente. Cada fase da revolução representou diferentes transformações e consequências mediante os avanços obtidos em cada período.

     A Primeira Revolução Industrial representou uma nova organização no modo capitalista. Nesse período houve um aumento significativo de indústrias bem como o aumento significativo da produtividade (produção em menor tempo). O homem ao ser substituído pela máquina, saiu da zona rural para ir para as cidades em busca de novas oportunidades, dando início ao processo de urbanização.

     Esse processo culminou no crescimento desenfreado das cidades, na marginalização de boa parte da população, bem como em problemas de ordem social como miséria, violência, fome. Nessa fase, também, a sociedade organizou-se em dois polos: de um lado a burguesia e do outro o proletariado.

     A Segunda Revolução Industrial teve como principais consequências, mediante o maior avanço tecnológico, o aumento da produção em massa em bem menos tempo, consequentemente o aumento do comércio e modificação nos padrões de consumo; muitos países passaram a se industrializar, especialmente os mais ricos, dominando, então, economicamente diversos outros países (expansão territorial e exploração de matéria-prima).

     O avanço nos transportes possibilitou maior e melhor escoamento de mercadorias e trânsito de pessoas; surgiram as grandes cidades e com elas também os problemas como superpopulação; aumento das doenças; desemprego e aumento da mão de obra barata e novas relações de trabalho.

     A Terceira Revolução Industrial e nova integração entre ciência, tecnologia e produção, possibilitou avanços na medicina; a invenção de robôs capazes de fazer trabalho extremamente minucioso e preciso; houve avanços na área da genética, trazendo novas técnicas que melhoraram a qualidade de vida das pessoas; possibilitou diminuir as distâncias entre os povos e a maior difusão de notícias e informações por meio de novos meios de comunicação; o capitalismo financeiro consolidou-se e houve aumento do número de empresas multinacionais.

     E não menos importante, todas essas transformações possibilitadas pela Revolução Industrial como um todo, transformou o modo como o homem relaciona-se com o meio. A apropriação dos recursos naturais para viabilizar as produções e os avanços tecnocientíficos têm causado grande impacto ambiental.

     Atualmente, as alterações provocadas no meio ambiente têm sido amplamente discutidas pelas comunidades internacionais, órgãos e entidades, que expressam a importância de mudar o modelo de desenvolvimento econômico que explora os recursos naturais sem pensar nas gerações futuras.

Resumo

  • A Inglaterra foi a nação pioneira no desenvolvimento industrial e tecnológico no mundo.
  • Por meio da Revolução Industrial, o capitalismo consolidou-se como sistema econômico vigente.
  • O desenvolvimento da máquina a vapor é considerado como o ponto de partida da Revolução Industrial.
  • Causou profundas transformações no modo de produção e também nas relações entre patrão e trabalhador.
  • Durante o auge da Revolução Industrial, os trabalhadores ingleses recebiam salários baixíssimos e eram obrigados a suportar uma longa jornada de trabalho.
  • A intensa exploração sob o trabalho do proletário fez com que os trabalhadores organizassem-se em sindicatos.
  • Dois movimentos de trabalhadores foram muito importantes no século XIX: o ludismo e o cartismo.
  • A Revolução Industrial aconteceu de maneira pioneira na Inglaterra por uma junção de fatores que englobam as grandes reservas de carvão do país, os cercamentos, o excedente de capital existente no país etc.
  • As transformações econômicas, sociais e tecnológicas proporcionadas pela Revolução Industrial dividem-se em fases, segundo os avanços produtivos, no campo científico e em diversas outras áreas do setor econômico e industrial.
  • Pode-se dividir a Revolução Industrial em: Primeira Revolução Industrial, Segunda Revolução Industrial e Terceira Revolução Industrial.
  • Diversas foram as consequências da Revolução Industrial. Houve aumento da produtividade, mudança nas relações de trabalho, alterações no modo de vida e padrões de consumo da sociedade, alterou-se a relação entre o homem e a natureza, houve avanços em diversos campos do conhecimento, entre outras mudanças.

Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/revolucao-industrial.htm Acesso em: 03 de abr. de 2020.

2. A Revolução Industrial corresponde às modificações econômicas e tecnológicas que consolidaram o sistema capitalista e permitiram o surgimento de novas formas de organização da sociedade. As transformações tecnológicas, econômicas e sociais vividas na Europa Ocidental, inicialmente limitadas à Inglaterra, em meados do século XVIII, tiveram diversos desdobramentos, os quais podemos chamar de fases. Essas fases correspondem ao processo evolutivo das tecnologias desenvolvidas e as consequentes mudanças socioeconômicas. Alguns subdividem em três fases outros em quatro.

Disponível em: https://www.diap.org.br/index.php/noticias/agencia-diap/29349-industria-4-0-os-empresarios-estao-pensando-no-futuro-e-nos Acesso em 02 de abr. de 2020. (Adaptado)

3. De acordo com os textos faça uma análise dos impactos da Revolução Industrial na produção e circulação de povos, produtos e culturas. Registre em seu caderno.

4. Leia a tirinha a seguir:

A tirinha reproduz uma crítica recorrentemente direcionada aos impactos gerados pela Terceira Revolução Industrial, dos quais podemos assinalar:

a) (   ) A excessiva capacidade de memória dos aparelhos industrializados.

b) (   )A superioridade do desempenho dos produtos face à capacidade humana.

c) (   ) A alienação gerada pelas facilidades promovidas pelas tecnologias.

d) (   ) O processo de substituição do homem pela máquina no campo produtivo industrial.

Disponível em: https://exercicios.mundoeducacao.bol.uol.com.br/exercicios-geografia/exercicios-sobre-terceira-revolucao-industrial.htm#resposta-1583 Acesso em; 02 de abr. de 2020. (Adaptada).

Trecho de uma redação escolar de um menino de 12 anos. Ele descreve seu cotidiano de operário, enfiando linhas nas agulhas dos teares, nos anos 1880.

“Assim que me levanto pela manhã, tenho que descer as escadas até o porão, para começar minha jornada. São mais ou menos cinco e meia da manhã. Aí eu tenho que enfiar as linhas nas agulhas dos teares até as sete horas e só então tomo o café-da-manhã. Depois volto ao trabalho até a hora de ir para a escola. Quando a escola termina, às onze horas, vou para casa e volto para as agulhas até às doze horas. Almoço e volto a trabalhar até pouco antes de uma da tarde. Retorno à escola, onde aprendo muitas coisas úteis. Quando chego em casa, trabalho até escurecer. Aí janto. Depois da janta, trabalho novamente até as dez da noite. Às vezes, quando o trabalho é urgente, fico até às onze da noite no porão. Depois digo aos meus pais boa noite e vou dormir. É assim todos os dias”.

Disponível em: https://www.swissinfo.ch/por/sociedade/trabalho-infantil-na-su%C3%AD%C3%A7a_a-inf%C3%A2ncia-roubada-dos-oper%C3%A1rios–fabriklerkinder-/43508762 Acesso em 03 de abr. de 2020

Declaração feita por um oficial fiandeiro de algodão ao público de Manchester, às vésperas de uma greve, citado por THOMPSON, 1987, p. 25.

“Os trabalhadores, em geral, formam um grupo de homens inofensivos, modestos e bem informados, embora eu desconheça a maneira como se informam. São dóceis e afáveis, se não os molestarem muito, mas isso não surpreende, quando consideramos que eles são treinados para trabalhar desde os seis anos de idade, das seis da manhã até as oito ou nove da noite. Ponha um dos que advogam a obediência ao mestre numa avenida de acesso a uma fábrica, um pouco antes das cinco da manhã, para que se observe a aparência esquálida das crianças e de seus pais, arrancados tão cedo de suas camas, não importa o tempo que faça. Deixe-o examinar a miserável porção de comida, normalmente uma sopa aguada de aveia e bolo, também de aveia, um pouco de sal e, às vezes, completada com um pouco de leite, além de algumas batatas, um pouco de bacon ou gordura, para o jantar. Um mecânico londrino comeria isso? Permanecem fechados em salas onde o calor é maior do que nos dias mais quentes do último verão, até a noite (se atrasarem alguns minutos, um quarto da jornada é descontado), sem intervalos, exceto os quarenta e cinco minutos para o jantar: se comem alguma outra coisa durante o dia, têm de fazê-lo sem parar de trabalhar. O escravo negro das Índias Ocidentais, mesmo trabalhando sob um sol tórrido, tem provavelmente uma brisa suave que às vezes o refresca, um pedaço de terra e tempo para cultivá-lo. O escravo fiandeiro inglês não desfruta de céu aberto e das brisas. Enclausurado em fábricas de oito andares, ele não tem descanso até as máquinas pararem, e então retorna à sua casa, a fim de se recuperar para o dia seguinte. Não há espaço para gozar da companhia da família: todos eles também estão fatigados e exaustos. Esse não é um quadro exagerado: ele é literalmente verdadeiro. Pergunto mais uma vez se um mecânico se submeteria a isso, no sul da Inglaterra.”

Disponível em: https://chacombolachas.wordpress.com/2008/09/11/condicoes-e-modos-de-vida-do-operariado-ingles-da-primeira-revolucao-industrial-1780-1840/ Acesso em 03 de abr. de 2020.

Disponível em: https://betaeq.com.br/index.php/2019/05/01/dia-do-trabalho-protestos-e-conquistas/Acesso em 03 de abr. de 2020.

5. No início da revolução os empresários impõem duras condições de trabalho aos operários sem aumentar os salários para assim aumentar a produção e garantir uma margem de lucro crescente. A disciplina é rigorosa, mas as condições de trabalho nem sempre oferecem segurança. Em algumas fábricas a jornada ultrapassa 15 horas, os descansos e férias não são cumpridos e mulheres e crianças não têm tratamento diferenciado. De acordo com os depoimentos acima descreva às condições de vida, à mão de obra infantil, adulta e feminina no período da Revolução industrial.

Revolução Industrial e a Questão Ambiental

O advento da Revolução Industrial deixou para trás o modo de produção agrícola e manual, utilizando máquinas no auxílio das ações humanas e ampliando, dessa forma, a produção e os mercados.

Porém a atividade humana, principalmente a industrial, tem provocado grandes efeitos ambientais provenientes do consumo de recursos naturais e na geração de resíduos e rejeitos industriais.

A industrialização originou uma série de intensos desdobramentos na economia, com modos de produção mais eficientes; no social, com as relações entre proletários e burgueses; e no ambiental, com impactos ao meio ambiente (ex.: poluição atmosférica).

A transformação que o ser humano imprimiu à natureza, com o uso das máquinas e com a necessidade cada vez maior de matérias-primas, fez surgir uma nova relação homem-natureza, na qual o ser humano domina e explora os ambientes naturais, principalmente em decorrência do consumismo, em especial nos países ricos.

A degradação ambiental foi crescente e desenfreada durante os séculos XIX e XX, com consequências evidentes no século XX I – poluição atmosférica, contaminação da água e do solo, retirada de florestas etc., o que tornou sombrias as previsões futuras para a vida no planeta.

Poluição atmosférica gerada pela indústria

A poluição atmosférica está concentrada principalmente em regiões industriais como o leste da China, Europa Ocidental, nordeste e sul dos Grandes Lagos, Estados Unidos.

Caso importantes mudanças não sejam tomadas a fim de se adotar o desenvolvimento sustentável (sustentabilidade), estabelecendo uma nova relação homem-natureza. As indústrias contribuem severamente para o aumento das emissões de gases “estufa” na atmosfera, contribuindo para o aquecimento global antropogênico.

A Revolução Industrial levou à urbanização, que, por sua vez, também provocou problemas relacionados à geração de resíduos sólidos (lixo), à ocupação desordenada do solo com desmatamento e impermeabilização, à contaminação dos cursos fluviais com esgotos e resíduos sólidos, ao aparecimento de ilhas de calor etc.

Nas últimas décadas, vem ocorrendo uma importante transformação na administração industrial de consequências positivas na área da sustentabilidade, com adoção de medidas amenizadoras de impactos ambientais – a reciclagem, o reuso da água etc., modificando pensamentos e atitudes do passado em que a deterioração ambiental era uma consequência inevitável do processo industrial.

Disponível em: https://www.coladaweb.com/biologia/ecologia/a-revolucao-industrial-e-a-poluicao. Aceso em 03 de Abr. de 2021

Disponível em: https://br.pinterest.com/pin/183310647302597381/ Acesso em 05 de mar de 2021.

6. Escreva os desdobramentos da industrialização no campo:

a) Econômico:

b) Social:

c) Ambiental:

7. A transformação que o ser humano imprimiu à natureza, com o uso das máquinas e com a necessidade cada vez maior de matérias-primas, fez surgir uma nova relação homem-natureza, como se processa essa relação?

8. Nas últimas décadas, vem ocorrendo uma importante transformação na administração industrial de consequências positivas na área da sustentabilidade, com adoção de medidas amenizadoras de impactos ambientais. Pesquise sobre as políticas ambientais adotadas no mundo e no Brasil na atualidade e registre no seu caderno as suas descobertas.

FINALIZAMOS A AULA DE HOJE!

Você pode baixar o arquivo da aula clicando AQUI

Anterior
Próximo