Portal NetEscola

Portal de conteúdo para alunos da Rede Pública de Goiás.

Rebeliões na América portuguesa: as conjurações mineiras e baiana; Ideias iluministas, anticolonialíssimo e revoltas na América Portuguesa; Brasil Colônia: interesses coloniais e movimentos de resistência – 2 ª Aula – História – 8° Ano - 11/05/2020

NA AULA PASSADA VOCÊ COMPREENDEU COMO OS IDEAIS ILUMINISTAS ATUARAM NO MOVIMENTO DA INCONFIDÊNCIA MINEIRA. OK?

AGORA É HORA DE CONHECERMOS OUTRO MOVIMENTO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO, A CONJURAÇÃO BAIANA! VAMOS LÁ?

Você já ouviu falar em Conjuração Baiana?

  A conjuração Baiana (1798) é também conhecida como Revolta dos Búzios, tipo de concha utilizada em religiões de matrizes africanas, que foi um elemento de identificação dos seus integrantes.

Disponível em: https://beduka.com/blog/materias/historia/resumo-da-conjuracao-baiana/Acesso em: 27 de abr. de 2020. (Adaptada)

Com as informações contidas no quadro anterior vamos fazer no seu caderno um pequeno texto, que demonstre um levantamento preliminar da Conjuração Baiana:

Para esse texto, siga os itens abaixo:

  1.  Que outros nomes esse movimento tem?
  2.  De acordo com a imagem, quem são as pessoas referidas como heróis?
  3.  O que podemos entender com o enunciado: “Heróis de Búzios”?
  4.  Qual seria a causa defendida por estes heróis?
  5.  A Conjuração Baiana, também chamada de Inconfidência Baiana ou Revolta dos Búzios, não é tão conhecida como outros movimentos de revolta como a Inconfidência Mineira. Baseados na observação da imagem, respondam qual fator pode ter levado a este “esquecimento”?

AGORA LEIA O TRECHO DO DISCURSO DE MAXIMILIEN DE ROBESPIERRE. (PARIS, 10 DE MAIO DE 1793.):

Cidadãos! O homem nasceu para a felicidade e para a liberdade, e em toda a parte é escravo e infeliz. A sociedade tem por fim a conservação de seus direitos e a perfeição de seu ser, e por toda parte a sociedade o degrada e oprime. Chegou o tempo de chamá-la a seus verdadeiros destinos; os progressos da razão humana preparam esta grande Revolução, e a vós especialmente é imposto o dever de acelerá-la. (…) Até aqui, a arte de governar não foi mais que a arte de despojar e escravizar a maioria em benefício da minoria; e a legislação, o meio de reduzir esses atentados a um sistema. Os reis e os aristocratas exerceram muito bem seu ofício: cabe a vós afora exercer o vosso, isto é, tornar os homens felizes e livres através das leis.  ROBESPIERRE Maximilien. Discursos e relatórios na Convenção. Tradução de Maria Helena Franco Martins. Rio de Janeiro: EDUERJ. p. 95. Disponível em: https://nova-escola-producao.s3.amazonaws.com/D7bWVEUqy9GMchGEdAks376uzS3RK9swtApgkEKtx8k7mNm9nTMNgVUNaTSW/trecho-do-discurso-de-robespierre-1793.pdf Acesso em 27 de abr. de 2020.

LEIA TAMBÉM O PANFLETO DA CONJURAÇÃO BAIANA:

Aviso ao povo Bahiense (1798)  A vós homens cidadãos, a vós povos curvados e abandonados pelo rei, pelos seus despotismos pelos seus ministros. O vós povo que nascestes para seres livres e para gozar dos bons efeitos da liberdade, o povo que vive flagelados com o pleno poder do indigno coroado esse mesmo rei que vós criastes; esse mesmo rei tirano é quem se firma no trono para vos deixar, para vos roubar e para vos maltratar. Homens, o tempo é chegado para a vossa ressurreição; sim para a ressuscitar do abismo da escravidão para levantar a sagrada Bandeira da Liberdade. A liberdade consiste no estado feliz, estado livre do abatimento: a liberdade é a doçura da vida, o descanso do homem com igual paralelo de uns para outros, finalmente a liberdade é o repouso e bem-aventurança do mundo. A França está cada vez mais exaltada, a Alemanha já lhe dobrou o joelho (…) o rei da Prússia está preso pelo seu próprio povo; as nações do mundo todas têm seus olhos fixos na França, a liberdade é agradável para todos: é tempo povo, povo o tempo é chegado para vos defender a vossa liberdade, o dia da nossa revolução da nossa liberdade e da nossa felicidade está para chegar, animai-vos que seres feliz para sempre.  Adaptado. Aviso III. Salvador: 12 ago. 1798. Disponível em: http://www.historia.uff.br/impressoesrebeldes/?documento=avisos-ii Acesso em: 27 abr. 2019.

 Com base nos trechos acima responda no seu caderno:

1- Quais ideias há em comum entre o discurso de Robespierre (1793) e o panfleto da Conjuração Baiana (1798)?

2- Podemos indicar que a Revolução na França influenciou a revolta no Brasil?

3- Qual diferença de status social e político de Robespierre e dos líderes da Conjuração Baiana? E qual ideia de “liberdade” estes movimentos defendiam?

Disponível em: https://novaescola.org.br/plano-de-aula/5452/a-conjuracao-baiana-e-suas-relacoes-com-a-revolucao-francesa Acesso em: 27 de abr. de 2020.

PARA APROFUNDAR UM POUCO MAIS LEIA O RESUMO A SEGUIR:

CONJURAÇÃO BAIANA A Conjuração Baiana foi uma revolta de caráter separatista e popular, que ocorreu na Bahia em 1798. Seus principais objetivos eram: o fim do pacto colonial com Portugal, a implantação da República, a liberdade comercial no mercado interno e externo e a liberdade e igualdade entre as pessoas (eram favoráveis à abolição da escravidão). A Conjuração Baiana, também chamada Inconfidência Baiana, foi um movimento de caráter separatista ocorrido no ano de 1798, na então Capitania da Bahia. Este movimento ficou conhecido também como a Revolta dos Alfaiates pois a grande maioria dos membros que participaram da revolta exerciam essa profissão. Diferente da Inconfidência Mineira, ocorrida em 1789, o movimento baiano possuía caráter popular, sendo composto, em sua maioria, por escravos, negros livres, mulatos, brancos pobres e mestiços que exerciam as mais diferentes profissões, como alfaiates, sapateiros, pedreiros, entre outras ocupações. Causas Em 1763, a capital do Brasil foi transferida para o Rio de Janeiro. Com tal mudança, Salvador, antiga capital, sofreu com a diminuição dos recursos designados à cidade. Juntamente, o aumento da taxa de impostos e exigências pioraram radicalmente as condições de vida da população local. Com isso, a população de Salvador começou a sofrer com a falta de certos mantimentos, que consequentemente elevaram os preços dos produtos e alimentos fundamentais para a sobrevivência que estavam disponíveis. A população estava cada vez mais inconformada. Além disso, o povo também não estava satisfeito com o governo de Portugal e a ideia do Brasil se tornar independente ganhava cada dia mais força na população. Eventos como a independência dos Estados Unidos, a independência do Haiti e a Revolução Francesa acabaram ocasionando na capitania baiana a disseminação dos ideais de liberdade e igualdade, causando euforia em uma pequena parcela de toda a população que residia em Salvador. As ruas de Salvador foram tomadas pelos inconfidentes que distribuíram folhetos informativos a fim de obter mais apoio popular e incitar a revolução. Os panfletos traziam pequenos textos e palavras de ordem, com base no que as autoridades portuguesas chamavam de “abomináveis princípios franceses”. Os principais líderes da Conjuração Baiana foram: Os alfaiates João de Deus do Nascimento e Manuel Faustino dos Santos Lira; O médico Cipriano Barata, conhecido como médico dos pobres e revolucionário de todas as revoluções; Os soldados Lucas Dantas de Amorim Torres, Luiz Gonzaga das Virgens; O farmacêutico João Ladislau de Figueiredo; O professor Francisco Barreto.   O Fim da Conjuração Baiana O governador da Bahia D. Fernando José de Portugal e Castro, recebeu a denúncia, feita por Carlos Baltasar da Silveira, de que os conspiradores estariam reunidos em Campo de Dique, no dia 25 de agosto. O coronel Teotônio de Souza foi encarregado pela Coroa portuguesa de flagrá-los. Muitas pessoas conseguiram fugir, mas 49 pessoas foram presas, entre elas três mulheres, nove escravos, porém a grande maioria era composta de alfaiates, barbeiros, soldados e pequenos comerciantes. Os envolvidos na Conjuração Baiana que eram de classes sociais mais baixas tiveram condenações mais duras. Manuel Faustino, João de Deus Nascimento, Luís Gonzaga das Virgens e Lucas Dantas foram executados e esquartejados. As partes de seus corpos foram espalhados pela cidade de Salvador, com o intuito de demonstrar autoridade e reprimir outros possíveis movimentos de conspiração. Disponível em: https://beduka.com/blog/materias/historia/resumo-da-conjuracao-baiana/ Acesso em: 27 de abr. de 2020.

VAMOS VER SE VOCÊ COMPREENDEU A CONJURAÇÃO BAIANA. PARA ISSO RESPONDA NO SEU CADERNO AS QUESTÕES A SEGUIR:

1- De acordo com o texto, quais foram as causas que motivaram este movimento?

2- Qual a origem social dos membros da revolta?

3- Qual foi o destino de seus líderes?

4- Qual era um dos principais recursos utilizados pelos inconfidentes para divulgação das ideias do movimento e obter mais apoio popular e incitar a revolução?

5- Os panfletos traziam pequenos textos e palavras de ordem, com base no que as autoridades portuguesas chamavam de “abomináveis princípios franceses” o trecho em destaque está se referindo a qual princípio iluminista?

POR HOJE É SÓ…

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é EMOJ2.gif

ATÉ BREVE!

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 20200322231244166692e.jpg
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é anigif_sub-buzz-85-1583516379-9.gif

Últimos Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *