Portal NetEscola

Portal de conteúdo para alunos da Rede Pública de Goiás.

Conto de animais – 7 ª Semana – Língua Portuguesa 6° Ano - 15/06/2020

Bem vindas e bem vindos
a mais uma aula de
Língua Portuguesa

O tema da aula de hoje é...

Conto de animais

CONTO DE ANIMAIS:  São contos em que os animais são dotados de qualidades, defeitos e sentimentos humanos.  A esperteza e a astúcia são as únicas armas de que um animal, sempre de porte pequeno, dispõe para enfrentar seu inimigo mais forte. Estruturalmente assemelham-se à fábula, pois há na história uma intenção moralizante.  Os tipos mais representativos integram os ciclos do macaco e a onça, do coelho e o sapo ou o cágado, da raposa e a onça. São exemplos: O gavião e o urubu, A raposa e as uvas, O pulo do gato, etc.

Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/1634137, acesso em 25 de maio de 2020.

→ Quando ouvimos as expressões: Era uma vez… Num reino muito distante daqui… Em que pensamos?

 

→ Você conhece alguém que conta histórias?

 

→  Você sabia que em algumas regiões do Brasil, as histórias contadas de boca em boca são chamadas de: causos, contos da Carochinha, histórias de trancoso e outros?

 

→  Você já ouviu ou leu alguma história em que as personagens são animais? Conte alguma dessas histórias.

 

→ Leiam os títulos de contos:

A onça e o bode

O sapo e o coelho

A rã e a raposa

A raposa e o gato

A galinha ruiva

 

→ O que os contos parecem ter em comum?

 

→ Você conhece algum deles?

Vamos conhecer um deles

Um dia uma galinha ruiva encontrou um grão de trigo.

– Quem me ajuda a plantar este trigo? – perguntou aos seus amigos.

– Eu não – disse o cão.

– Eu não – disse o gato.

– Eu não – disse o porquinho.

– Eu não – disse o peru.

– Então eu planto sozinha – disse a galinha. – Cocoricó!

E foi isso mesmo que ela fez. Logo o trigo começou a brotar e as folhinhas, bem verdinhas, a despontar. O sol brilhou, a chuva caiu e o trigo cresceu e cresceu, até ficar bem alto e maduro.

– Quem me ajuda a colher o trigo? – perguntou a galinha aos seus amigos.

– Eu não – disse o cão.

– Eu não – disse o gato.

– Eu não – disse o porquinho.

– Eu não – disse o peru.

– Então eu colho sozinha – disse a galinha. – Cocoricó!

E foi isso mesmo que ela fez.

– Quem me ajuda a debulhar o trigo? – perguntou a galinha aos seus amigos.

– Eu não – disse o cão.

– Eu não – disse o gato.

– Eu não – disse o porquinho.

– Eu não – disse o peru.

– Então eu debulho sozinha – disse a galinha. – Cocoricó!

E foi isso mesmo que ela fez.

– Quem me ajuda a levar o trigo ao moinho? – perguntou a galinha aos seus amigos.

– Eu não – disse o cão.

– Eu não – disse o gato.

– Eu não – disse o porquinho.

– Eu não – disse o peru.

– Então eu levo sozinha – disse a galinha. – Cocoricó!

E foi isso mesmo que ela fez. Quando, mais tarde, voltou com a farinha, perguntou:

– Quem me ajuda a assar essa farinha?

– Eu não – disse o cão.

– Eu não – disse o gato.

– Eu não – disse o porquinho.

– Eu não – disse o peru.

– Então eu asso sozinha – disse a galinha. – Cocoricó!

E foi isso mesmo que ela fez. A galinha ruiva assou a farinha e com ela fez um lindo pão.

– Quem quer comer esse pão? – perguntou a galinha.

– Eu quero! – disse o cão.

– Eu quero! – disse o gato.

– Eu quero! – disse o porquinho

– Eu quero! – disse o peru.

– Isso é que não! Sou eu quem vai comer esse pão! – disse a galinha. – Cocoricó!

E foi isso mesmo que ela fez.

Atividade 1

Se liga na dica! Responda as questões no seu caderno

  1. Na sua opinião, onde se passa o conto?
  1. Quem é a personagem principal? E os demais personagens, quem são?
  1. O que a galinha plantou?
  1. Que animais a galinha chamou para ajudá-la a plantar, colher e fazer o pão?
  1. Quem ajudou a galinha fazer a plantação?
  1. Por que os outros animais não se dispuseram ajudar a galinha?
  1. O que a galinha fez depois que fabricou a farinha?
  1. Qual o título do texto? Se você fosse o autor, que nome daria a essa história?
  1. O que você achou da atitude da galinha de comer o bolo sozinha? Justifique sua resposta.
  1. Você acha que a galinha alcançou o seu objetivo? Que exemplo ela deixa para nós?
  1. Qual a parte da história que você mais gostou? Represente por meio de um desenho ou escreva.
  2. Na frase “Quem quer comer esse pão?”, o ponto indica uma

a)  ( ) afirmação.

b) ( ) surpresa.

c) ( ) resposta.

d) ( ) pergunta.

 

  1. No trecho “Quando, mais tarde, voltou com a farinha, perguntou:”, a palavra “tarde” expressa a ideia de

a) ( ) tempo.

b) ( ) lugar.

c) (  ) condição.

d) ( ) dúvida.

 

  1. Sabemos que o narrador é aquele que descreve os acontecimentos. Qual o tipo de narrador desse conto?

 

  1. Que outro final você daria ao texto? Reescreva-o.

 

  1. O travessão foi usado nesse texto para indicar:

a) (  ) A descrição do ambiente

b) (  ) A fala das personagens

c) (  ) A emoção das personagens

d) (  ) A preguiça do fato

 

  1. Observe o seguinte trecho do texto …” O sol brilhou, a chuva caiu e o trigo cresceu e cresceu, até ficar bem alto e maduro… Os verbos destacados são classificados, gramaticalmente, como

a) (  ) pretérito Perfeito.

b) (  ) pretérito Imperfeito.

c) (  ) presente.

d) (  ) pretérito mais que Perfeito.

Agora vamos falar sobre...

Verbos de elocução e discurso direto

Verbos de Elocução e Discurso Direto: os verbos de elocução são aqueles que introduzem ou anunciam a fala de um personagem. São exemplos de verbos de elocução: falar, perguntar, afirmar, dizer, responder, indagar, replicar, argumentar, pedir, implorar, comentar, exclamar. Usam-se num texto para apresentar o discurso direto.

 

Observe o exemplo, neste trecho do texto A Galinha Ruiva, o verbo de elocução está em negrito.

Um dia uma galinha ruiva encontrou um grão de trigo.

– Quem me ajuda a plantar este trigo? – perguntou aos seus amigos. […]

 

Outro exemplo, do mesmo texto:

– Então eu planto sozinha – disse a galinha. – Cocoricó!

 

Os verbos “perguntou e disse” são exemplos de verbos de enunciação ou elocução. Expressam o discurso da galinha com seus amigos.

 

Mas o que é discurso direto? É sabido que a linguagem humana é dialógica, ou seja, se organiza na interlocução, no discurso. O espaço de interlocução se constitui pela presença dos interlocutores: quem produz o texto e quem o recebe, o interpreta. Cada vez que uma pessoa começa a falar ou a escrever ela estabelece esse espaço enunciativo e ambos constroem o texto, no “aqui e agora” da enunciação. Para essa construção, geralmente, usa-se os verbos de dizer (elocução) para anunciar o diálogo, seguido de dois-pontos, travessão. Pode-se representar, também, o jeito de falar, ou seja, como a pessoa pronuncia a palavra (variação linguística). A segmentação em parágrafos facilita a leitura.

 

No discurso direto o narrador reproduz a essência das falas das personagens com as suas próprias palavras, como no exemplo acima.

Vejamos outro exemplo, extraído de outro texto:

Disponível em: https://www.portugues.com.br/gramatica/o-que-sao-verbos-dicendi.html Acesso em 28 de maio de 2020.

Note como o autor, ao utilizar-se do discurso direto, usa como auxílio o verbo  “disse”,  para reproduzir fiel e textualmente as palavras do pequeno príncipe e da raposa no diálogo. Esses verbos são também conhecidos como verbos dicendi. Mas, por que esse nome?

 

A expressão dicendi vem do latim e significa “dizer”. É por isso que aqueles verbos empregados com esse sentido também são conhecidos como verbos de elocução/de declaração, ou seja, verbos que apresentam a maneira pela qual alguém se expressa.

Atividade 2

Se liga na dica! Responda as questões no seu caderno

1. Retire do texto A Galinha Ruiva, pelo menos, mais dois trechos que mostram discurso direto, diferentes dos que constam no exemplo.

 

2. O que você entendeu por discurso direto?

 

3. O que são verbos de elocução?

 

4. No texto, em “- Quem me ajuda a colher o trigo? – perguntou a galinha aos seus amigos.”, o cão deu uma resposta à galinha. O que ele respondeu e que tipo de discurso é?

Muito bem!
Parabéns pelo seu empenho.
Até a próxima aula!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *