Portal NetEscola

Conto Popular – Língua Portuguesa – 2 ª SEMANA – 6° Ano - 12/08/2020





Bem vindos para mais uma aula pessoal!

I – OBJETO DE CONHECIMENTO: Estratégia de leitura/ Reconstrução da textualidade e compreensão dos efeitos de sentidos provocados pelos usos de recursos linguísticos e multissemióticos – Gênero: Conto Popular

 

II – ATIVIDADES:

Leia os textos e depois responda as atividades no caderno.

 

Texto 1

A cumbuca de ouro e os marimbondos

(Contos populares do Brasil – Pernambuco)

        Havia dois homens, um rico e outro pobre, que gostavam de fazer peças um ao outro.

        Foi o compadre pobre à casa do rico pedir um pedaço de terra para fazer uma roça. O rico, para fazer peça ao outro, lhe deu a pior terra que tinha.

        Logo que o pobre teve o sim, foi para a casa dizer à mulher, e foram ambos ver o terreno. Chegando lá nas matas, o marido viu uma cumbuca de ouro, e, como era em terras do compadre rico, o pobre não a quis levar para a casa, e foi dizer ao outro que em suas matas havia aquela riqueza.

       O rico ficou logo todo agitado, e não quis que o compadre trabalhasse mais nas suas terras.

       Quando o pobre se retirou, o outro largou-se com a sua mulher para as matas a ver a grande riqueza. Chegando lá, o que achou foi uma grande casa de marimbondos; meteu-a numa mochila e tomou o caminho do mocambo do pobre, e logo que o avistou foi gritando:

      “Ó compadre, fecha as portas, e deixa somente uma banda da janela aberta!”

        O compadre assim fez, e o rico, chegando perto da janela, atirou a casa de marimbondos dentro da casa do amigo, e gritou:

        “Fecha a janela, compadre!”

Mas os marimbondos bateram no chão, transformaram-se em moedas de ouro, e o pobre chamou a mulher e os filhos para as ajuntar.

        O ricaço gritava então:

        “Ó compadre, abra a porta!” Ao que o outro respondia:

        “Deixe-me, que os marimbondos estão-me matando!”

         E assim ficou o pobre rico, e o rico ridículo.

Nota: Conto raro que nas Américas aparece sobretudo na zona do Caribe: Louisiana, México, República Dominicana. O seu propósito é criticar o homem como mandrião, característica normalmente atribuída às mulheres na tradição oral.

Disponível em< http://www.poeteiro.com/2017/12/a-cumbuca-de-ouro-e-os-marimbondos.html> Acesso em 10 de jul. de 2020.

 

 

1)Com que finalidade o texto acima foi escrito?

a)( ) Narrar fatos do cotidiano, geralmente colhidos no noticiário jornalístico.

b)( ) Informar o leitor sobre um acontecimento.

c)( ) Entreter, despertando a imaginação, sentimentos ou reflexão.

d)( ) Convencer sobre a boa qualidade de um determinado produto.

 

2)Como você avalia a atitude do compadre rico ao levar a casa de marimbondos ao compadre pobre? Ele agiu certo ou não? Justifique.

 

3)Identifique no conto acima os quatro diferentes momentos da ação, preenchendo o quadro a seguir.

4)Nesse texto, há presença de um narrador


a) ( ) personagem, pois o pobre conta sua própria história.

b) ( ) personagem, porque o compadre rico narra sua vida.

c) ( ) observador, porque conta a história e ainda faz parte dela.

d) ( ) observador, pois ele apenas narra os fatos sem participar da história.

 

5)O conto traz algum ensinamento? Se sim, qual? 

 

6)Marque um X na alternativa que justifica o uso das aspas no conto acima. 


a) ( ) Utilização de termos em língua estrangeira.

b) ( ) Falas dos personagens.

c) ( ) Indicação do pensamento das personagens.

d) ( ) Uso de termos em um sentido diferente do habitual.

 

Texto 2

                                    O preguiçoso

                                   (conto jocoso)

 

          Um homem preguiçoso vivia com a mulher muito trabalhadeira. A casa deles era de vara, e a mulher, cansada de passar frio, teve que encher as paredes sozinha: carregou todo o barro e fez o serviço, enquanto o marido permanecia o dia todo deitado no chão, palitando os dentes e pitando seu cigarro de palha.

         Tudo o que a mulher mandava fazer, ele vinha com uma desculpa para não realizar o serviço. Um dia, ela disse:

         — Marido, vai ao mato caçar uma paca gorda pra nós fazer um cozido gostoso.

         E o preguiçoso vinha com a desculpa:

     — Ô minha veia, você quer meu mal?! Pra eu armar uma arapuca, tenho que pegar no machado, ele bate no meu pé e, aí, é desgraceira na certa! No mato tem onça. Se a onça me pega, me come. É melhor ficar por aqui.

         A mulher se azoretava e dizia:

     — Então, marido, levanta daí e vai botar um roçado, que a chuva já tá pra chegar!

     — Mulher, a chuva que Deus dá no roçado dá no mato também. Não precisa de tanta arribação!

         E a mulher, que já não aguentava mais, dizia:

 

     — Miserável, marido, como você era melhor não ter.

        Cachorro há de te latir e cobra há de lhe morder.

        Tanta preguiça, só falta ser enterrado vivo,

        e é isso que eu vou fazer!

 

        Ele achou boa a ideia, já que não precisaria mais se levantar nem para fazer as necessidades. Então a mulher chamou uns homens para sepultar o preguiçoso. Puseram-no na rede e tocaram o cortejo.          Na estrada, um compadre dele vinha montado a cavalo e, vendo a rede, perguntou:

    — Meu compadre morreu e ninguém me avisou?

    — Morreu não, compadre, mas prefere ser enterrado vivo a ter que levantar uma palha do chão. Esse homem não trabalha nem pro seu sustento, e eu já não aguento mais!

       O compadre, então, ofertou:

   — Para não enterrar meu compadre, eu ofereço um saco de feijão, outro de arroz e um cacho de banana.

       O preguiçoso, ouvindo a proposta, espichou o pescoço para fora da rede e perguntou:

   — Ô compadre, me responda uma coisa: esse feijão é debulhado?

   — Não.

   — E esse arroz e esse cacho de banana vêm com casca ou sem casca?

   — Com casca!

       Então, para surpresa de todos, o preguiçoso completou:

   — Prossiga o enterro!

Maria Magalhães Borges,

Serra do Ramalho, Bahia.

7)O conto acima tem qual objetivo?

 

8)O conto apresenta características


( ) narrativas.

( ) instrucionais.

( ) argumentativas.

( ) descritivas.

9)Que tipo de ajuda o compadre ofereceu?

 

10)Por que o homem preguiçoso não aceitou o que o compadre lhe ofereceu?

 

11)Um conto popular é um gênero textual que:


a) ( ) Conta uma história real revestida de personagens aparentemente irreais.

b) ( ) Relata fatos extraordinários distantes da realidade para transmitir um ensinamento.

c) ( )  Narra crendices populares inventada em um passado bastante longínquo.

d) ( ) Une fatos reais a fatos irreais de forma fantasiosa e é transmitida pela tradição oral.

 

12)No trecho “A mulher se azoretava e dizia […]”, a palavra destacada tem o sentido de


a)( ) perturbava.

b)( ) satisfazia.

c)( ) distraia.

d)( ) desanuviava.

 

13)No trecho “Ele achou boa a ideia, já que não precisaria mais se levantar nem para fazer as necessidades.”, a palavra destacada se refere


a)( ) à mulher do preguiçoso.

b)(  ) ao homem preguiçoso.

c)(  ) ao compadre.

d)(  ) ao autor.

Por hoje é só pessoal, lembrem-se: fiquem em casa e lave as mãos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *